Parashá Noach (Noé)

"Parashá" (Estudo semanal) – Noach (Noé) – Gen.  6.9 – 11.32

"Haftará" – Isaias 54.1 – 55.5.

Leitura Nova Aliança – Mat. 24.36 – 44 Atos 2.1 – 16

No estudo da semana passada adiantamos comentários sobre a parte material da "parashá" deste Shabat, com a ideia, basicamente, de analisar a leitura do ponto de vista de compreensão de fatos, narrativa histórica ou análise de mitos e tradições folclóricas.

Assim, recomendamos a leitura do livro do rabino Arieh Levin "A Longevidade e a Idade do Universo" como referência para uma análise rabínica do que denominamos o "Big Bang" e a longevidade dos primeiros patriarcas, anteriores a Abrahão.

Obviamente, recebemos comentários sobre os famosos versículos que falam das filhas dos homens e os filhos de D...s,  a relação entre eles e os "nefilim", etc. etc.

Não faltam explicações com base na arqueologia e outras disciplinas cientificas para dar explicação sobre esses versículos, mas não é a nossa intenção dissertar sobre esses temas no comentário de hoje.

Entre outras coisas, por ser de importância secundaria, diríamos até sem importância...

A mensagem de D..s, nos seus primeiros passos, dirigida as sociedades muito primitivas, por força chegava numa "embalagem" apropriada à compreensão dessas sociedades. Nessa linguagem a fabula e o mito eram um meio de "ensino" básico e imprescindível...

Mas, fora da embalagem, a mensagem possuía outra profundidade, a Palavra de Ha Shem, e no comentário deste Shabat gostaríamos de falar um pouco mais sobre a simbologia que esta "parashá" nos transmite.

A Arca, por definição, nos lembra um refúgio, uma proteção de elementos perigosos, neste caso representados pelo Diluvio.

Noé não recebe de Ha Shem uma Arca pronta – o seu (nosso) refúgio teve que ser construído por ele (nós) mesmo. Em outras palavras, primeira mensagem:

NÃO EXISTE REFUGIO AUTOMÁTICO DOS PERIGOS, O NOSSO REFUGIO DEPENDE TAMBÉM DOS NOSSOS ESFORÇOS. NO "CONTRATO" ENTRE O HOMEM, O SER HUMANO, E HA SHEM, A HUMANIDADE ASSUME RESPONSABILIDADES A CUMPRIR.

7.4 – "Daqui a sete dias farei chover sobre a terra quarenta dias e quarenta noites..."

Chega aqui na Palavra, pela primeira vez, o conceito de "quarentena" – o mínimo de quarenta dias de .... Purificação. Essa chuva constante vai servir para um novo começo, depois de purificar o que estava podre, deturpado... aquilo que os primeiros homens tinham, em poucas gerações, conseguido estragar.

Mas, não menos importante, aparece novamente o número sete, indicando caminho de perfeição – os animais puros serão sete casais, sinal claro da importância de manter uma pureza especial na preparação desse novo início (os animais impuros, apenas um par...), e o tempo de purificação chega depois de um tempo de pré-aviso, de preparação antecipada  ( "Daqui a sete dias"...).

A segunda mensagem desta "parashá", simbolicamente, é também bem clara - UM PERIÓDO DE PURIFICAÇÃO QUE LEVE A UM NOVO CAMINHO PRECISA SER ANTECIPADO POR UMA ETAPA DE PREPARAÇÃO, DE PRE AVISO...

O conceito que a Palavra nos ensina é que devemos nos preparar espiritualmente, a plena consciência, de que estaremos iniciando e seguindo uma etapa, às vezes até longa e difícil, de autopurificação, deixando para trás os perigos e as ameaças, as tentações muitas vezes tão atrativas, o caminho fácil.

A história e cronologia que se refletem nas "parashot" iniciais, sem dúvida são interessantes e até muitas vezes despertam a curiosidade do leitor da Bíblia num ponto ou outro.

Mais importante, com certeza, é descobrir a maravilha da Mensagem de Ha Shem que existe nessa simbologia tão rica...

Shabat Shalom!

Rabino Yehuda Hochmann (Ben Haim)

Beer Sheba, Deserto do Neguev, Israel.

SOBRE NÓS
LOCALIZAÇÃO

Ligar (75) 3421-9547

 

Avenida Dr. Dantas Bião, 759, Alagoinhas Velha

Alagoinhas - Ba

 

tphesedh@hotmail.com 

CONECTE-SE

© 2018 por Tabernáculo Profético Hesedh.