Parashá Bereshit (Gênesis)

"Be Reshit" – (Gênesis) – "Parashá" (Estudo) Semanal

"Haftará" – Isaias 42.5 – 43.10

Nova Aliança – Romanos 5.12 – 21 | Efésios 5.21 - 32

 

No próximo "Shabat" iniciaremos novamente a leitura e o estudo da Torah, com a primeira "parashá", que trata da criação do Universo, dos primeiros seres humanos, o Diluvio e a Arca de Noé...

Faremos neste caso um estudo um pouco mais extenso, já que queremos comentar um pouco mais em profundidade alguns princípios básicos sobre o estudo da Torah e da Bíblia em geral.

Aqueles que leem meus comentários sabem muito bem que eu sempre ressalto a importância de estudar a Bíblia, em geral, dentro do contexto social, histórico e cultural de cada época determinada na que foram escritos cada um de seus capítulos ou livros.

QUEM TEM FÉ NÃO TEM MEDO DE E S T U D A R A BIBLIA!

Seguindo as pautas que citei antes, está claro que as fontes históricas ou documentadas sobre os eventos da Criação, os primeiros homens e a longevidade dos primeiros Patriarcas não existem e tudo isso chegou através de tradições orais muito anteriores ao momento em que essas tradições foram levadas à palavra escrita. Vistos dentro de um nevoeiro de milênios, devem ser considerados como alegorias, fábulas (que tem sempre um fundo educativo, lembram...) ou mitos nacionais e até mesmo folclore popular – sendo esses os sistemas "educativos” aceitos que podiam ser utilizados dentro do contexto social e cultural daqueles que ao longo desses milênios receberam a Mensagem.

Toda tradição oral, como é neste caso, possui um fundo de verdade, e, analisando juntos, poderemos, pelo menos, chegar perto dessa verdade. O "mundo" conhecido para os habitantes da região está bastante definido no Capitulo 2, versículos 10 a 14 quando a definição dos limites do Jardim do Éden nos coloca entre Turquia, a Mesopotâmia e o norte da África – praticamente o Oriente Médio que nós conhecemos.

O que quer dizer que eventos semelhantes – como a Criação do homem, podem ter acontecido em vários lugares do mundo ao mesmo tempo, por exemplo, mas a narrativa é local.

Vejamos – Capitulo 4, versículos 15 e 16 – HaShem coloca uma marca na frente de Cain para que ninguém pudesse mata-lo e Cain sai para a terra de Nod – "ao leste do Éden"

Versículo 17 – Cain teve relação com a sua mulher....

E perguntemos então – quem poderiam ser os homens capazes de matar Cain, como surgiram, onde moravam... e também fica claro que havia outras terras fora do Jardim do Éden (Nod) e lá ele encontra uma mulher...outra pergunta, que mulher é essa? Como e quando o povo dela foi criado?

Ou seja, que temos uma alusão bastante clara na Bíblia de que outras terras fora do mundo conhecido (Jardim do Éden) existiam e outros homens foram criados em várias partes da Terra ao mesmo tempo...

 

O judaísmo ortodoxo, herdeiro do farisaísmo, afirma que o mundo foi criado faz apenas 5780 anos. Só em Israel temos mais de um milhão de pessoas que acreditam nisso, no mundo inteiro vários milhões – e isso não quer dizer que seja a verdade, temos mais que suficientes provas ao contrário...

Obviamente, os que estão fechados a vida toda em centro de estudos "religiosos", lendo e ruminando obras de dezenas de rabinos na mesma linha, sem nunca estudar física, matemática, história ou química... podem acreditar em qualquer coisa que esses rabinos doutrinem, mesmo se existem provas mais que suficientes ao contrário. Negar as possíveis chaves de conhecimento deixa uma pessoa no conforto de uma "verdade" absoluta e indiscutível.

Essa posição, do fundamentalismo bíblico, é aceita e indiscutível em muitas igrejas, negando todo tipo de estudo cientifico ou realidade arqueológica que possa estar contra.

Mas a mesma Bíblia nos ensina outra verdade, é só olhar cuidadosamente...

Uma chave para entender a Semana da Criação, por exemplo, está na Bíblia, quando o Salmo 90:04 diz claramente – "Senhor, um dia para ti é como mil anos para nós homens..." e também em 2 Pedro 3:8.

O TEMPO DE D..S NÃO É IGUAL AO TEMPO DOS HOMENS!

UM "DIA" NA CRIAÇÃO PODE SER DEZ OU MESMO CEM MILHÕES DE ANOS...

Dentro do mesmo ponto de vista podemos dizer que a narrativa da Arca de Noé e o Diluvio se refere à região que os antepassados de Israel consideravam a Terra (área do Jardim do Éden).

O Diluvio muito provavelmente foi universal na verdade, já que achamos narrativas semelhantes nas tradições orais de outras regiões e outros povos.

Mas podemos ter certeza que na Arca não tinha ursos polares, pinguins, tamanduás ou antas. Esses animais não resistiriam ao clima ou não teriam tempo para a jornada necessária, ou como realizar esse caminho...

Foram salvos, sim, pela mão de D..s, diretamente ou através de outros "Noés", cada um na sua região.

A mensagem da Arca é especialmente importante não por ser apenas uma renovação do mundo, mas sim, especialmente, porque D..s utiliza um homem, um ser humano, como instrumento nessa renovação do mundo, em realizar o que chamamos no Judaísmo "Tikun Olam", ou seja, colaborar com D..s para um mundo melhor.

Essa é talvez a lição mais importante desta parashá – não é o mais importante saber se o Dia da Criação tinha um milhão ou cem milhões de anos na nossa medida de tempo, bem mais importante é o fato do ser humano, ao cumprir a Palavra de D..s, ser capaz de melhorar ativamente o mundo em que vivemos...

Shabat Shalom!

Rabino Yehuda Hochmann (Ben Haim)

Beer Sheba, Deserto do Neguev, Israel.

 

Sugerimos a leitura do livro do Rabino Arieh Levin " A longevidade e a Idade do Universo" – Editora Sêfer, SP.

Veremos então que houve no passado rabinos que procuraram e acharam a verdade na própria Bíblia...

SOBRE NÓS
LOCALIZAÇÃO

Ligar (75) 3421-9547

 

Avenida Dr. Dantas Bião, 759, Alagoinhas Velha

Alagoinhas - Ba

 

tphesedh@hotmail.com 

CONECTE-SE

© 2018 por Tabernáculo Profético Hesedh.